Notícias da Semana

Professoras da UFSC participam de homenagem, na França, por entrada de Germaine Tillion no ‘Pantheon’

 

          Carmen Silvia Rial e Miriam Pillar Grossi, professoras e antropólogas do Departamento de Antropologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), receberam convite do presidente da França, François Hollande, para a homenagem solene daquela nação a Germaine Tillion e mais três pessoas, por sua entrada, nesta quarta-feira, 27 de maio, no Pantheon – monumento que contém os restos mortais de grandes nomes franceses. Germaine Tillion  (1907-2008) – proeminente antropóloga francesa, membro da Resistência – recebeu o prêmio Pullitzer em 1947, por seus atos heroicos durante a Segunda Guerra Mundial, e, em 1999, a Grande Cruz da Legião de Honra (Grand-croix de la Légion d´honneur). Além de seu destaque no campo científico, notabilizou-se como ativista dos direitos humanos, engajada em lutas como a pela emancipação das mulheres e contra a excisão feminina. Miriam ministrou na terça-feira, 26 de maio, em Paris, na  École de Haute Études en Sciences Sociales (Escola de Estudos Superiores em Ciências Sociais), um seminário em homenagem a Tillion, no qual apresentou o filme “Germaine Tillion: Lá où il y a danger on vous trouve toujours” (Germaine Tillion: onde há perigo sempre te encontramos), realizado por ela e Carmen Rial.

Assista aqui:

Germaine Tillion: onde há perigo sempre a encontramos from NIGS/UFSC on Vimeo.

 

          Miriam e Carmen realizaram também o filme Mauss, segundo suas alunas, escolhido para o encerramento do “23eme Bilan du Film Ethnographique”, em março de 2004, em Paris, e apresentado na UFSC em atividade do projeto “Nossa Antropologia”, em abril  do mesmo ano. Marcel Mauss (1872-1950), sobrinho de Émile Durkheim e um dos fundadores da Antropologia na França, é sempre lembrado como o definidor dos métodos de trabalho de campo que tinham no Museu de Etnografia de Paris um foco de formação e irradiação. Mauss teve muitas discípulas, dentre as quais se destacaram algumas antropólogas que pesquisaram na África de língua francesa. Três delas (Germaine Tillion, Denise Paulme e Germaine Dieterlen) foram entrevistadas, entre 1997 e 1999,  por Miriam e Carmen para o filme, revivendo, assim, os ensinamentos do mestre e mostrando a sua atualidade.

Assista aqui também:

Mauss e suas alunas – parte 1

Mauss, segundo suas alunas – parte 2

Mauss, segundo suas alunas – parte 3

Mauss, segundo suas alunas – parte 4

Mauss, segundo suas alunas – parte 5

 

 

germaine2Germaine3Germaine4Germaine5

Cenas do filme sobre a trajetória intelectual de Germaine Tillion, antropóloga francesa do século XX

 

Alita Diana/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Revisão: Claudio Borrelli/Revisor de Textos da Agecom/DGC/UFSC

*************************************

Programa ‘Cátedra doutora Ruth Cardoso’ da Universidade de Columbia seleciona professora da UFSC

 

          A antropóloga Miriam Pillar Grossi, professora e pesquisadora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), foi selecionada para o programa “Cátedra Fulbright doutora Ruth Cardoso”, na Universidade de Columbia, em Nova York (EUA), onde ela ministrará, de janeiro a maio de 2016, um curso sobre movimentos sociais e teoria feminista no Brasil. Além disso, aprofundará suas pesquisas sobre a história de mulheres antropólogas em diferentes países do mundo, dedicando-se a trabalhar nos arquivos da universidade  sobre as pioneiras da disciplina nos Estados Unidos.

          A  tradicional e conceituada Universidade de Columbia, a quinta mais antiga dos Estados Unidos da América (EUA), foi classificada como a 10ª melhor universidade do mundo no Times Higher Education 2015. Mais de 40 vencedores do prêmio Nobel e três presidentes dos EUA  um deles é Barack Obama  destacam-se como ex-alunos notáveis da instituição.

          “Para mim é uma grande vitória, não só minha, mas também do Instituto de Estudos de Gênero da UFSC, pois é o reconhecimento de nossa contribuição teórica para o campo dos estudos de gênero no mundo”, afirma a professora. Ela também comenta que ficou surpresa com a repercussão que a notícia de sua seleção teve nas redes sociais.

          “Senti que o fato de ganhar um concurso concorrido como este, no campo das Ciências Humanas, foi vivido por muitas das jovens  que foram e são minhas alunas  como um exemplo do que elas poderão alcançar em suas carreiras. Por isso, estou ainda mais feliz com o resultado, pois sei o quanto as jovens mulheres cientistas, numericamente já maioria no Brasil, carecem de exemplos de mulheres em lugares de prestígio”, avalia.

          A professora Miriam  na UFSC desde 1989 e que já lecionou na Universidade de Brasília (1995), Universidad de Chile (2003), EHESS (França, 2008) e ISCTE (Portugal, 2009)  afirma que esse tipo de intercâmbio com universidades do exterior é muito importante: “Essas experiências internacionais em sala de aula são um aprendizado muito rico para professores e estudantes. É muito bom conhecer e viver a vida acadêmica em outras universidades e aprender com as semelhanças e diferenças institucionais que vivenciamos. Trazemos sempre esses aprendizados para nosso trabalho na UFSC”, acrescenta.

          Coordenadora do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS/UFSC), do curso de especialização Gênero e Diversidade na Escola da UFSC, e co-coordenadora do Instituto de Estudos de Gênero (IEG) da Universidade, a professora Miriam também coordena projetos com várias equipes de pesquisa  financiados pelo CNPq, Capes, Fapesc e Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República  e de extensão, como o “Papo Sério”  projeto em escolas públicas da Grande Florianópolis, financiado pelo Programa de Extensão Universitária (Proext) do Ministério da Educação (MEC).

          A pesquisadora ministra neste semestre a disciplina Relações de Gênero, no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, e Família e Parentesco em Sociedades Complexas, no curso de graduação em Antropologia.

Cátedra doutora Ruth Cardoso

          O principal objetivo do programa “Cátedra doutora Ruth Cardoso”  uma parceria da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a Universidade de Columbia (UC) e a Comissão para o Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos da América e o Brasil (Fulbright)  é apoiar professores e pesquisadores brasileiros, com comprovada experiência nas Ciências Humanas e Sociais, com ênfase em História do Brasil contemporânea, Antropologia, Ciência Política e Sociologia, e em atividades de docência e pesquisa no Instituto de Estudos Latino-Americanos (ILAS) da Universidade de Columbia. A Cátedra é uma homenagem a Ruth Corrêa Leite Cardoso (1930-2008), antropóloga e docente da Universidade de São Paulo (USP), que foi bolsista da Comissão Fulbright na Universidade de Columbia, em 1988.

Leia mais: 

Programa seleciona antropóloga da UFSC para atuar nos EUA

Gabriela Dequech/estagiária NIGS/UFSC

Edição: Alita Diana/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Revisão: Claudio Borrelli/Revisor de Textos/Agecom/DGC/UFSC

*********************************************************************************

Bolsa Pós-Doutorado (PNPD)

Estão abertas as inscrições de candidatos a bolsa de pós-doutorado vinculada ao Programa Nacional de Pós-doutorado (PNPD) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, para atuar no PROJETO “Antropologia, Gênero e Educação”.

Edital aqui

****************************************

Disciplinas ministradas pela Profa Miriam Grossi em 2014.1

Informo as disciplinas que ministrarei neste semestre e convido à todas/as a matricularem-se nos respectivos cursos. Quem desejar assistir aulas como ouvinte deve aguardar o inicio do semestre após fechada a matricula dos alunos regulares pois só poderei avaliar as demandas a luz do numero de vagas livres em cada disciplina.

Agradeço que EVITEM escrever mensagens para meu email pedindo informações.

Para a disciplina da graduação contatem a estagiaria docente Virginia Nunes <virginia.ufrb@gmail.com>. Para a disciplina do PPGICH (Topicos Especiais )contatem Adriana Barbaresco no email Instituto de Estudos de Gênero <estudosdegenero@gmail.com>. Para a disciplina de Sociedades Complexas contatem o mestrando Jefferson Virgílio <jv.ufsc@gmail.com>.

Todos os textos serão disponibilizados on line nesta pagina e semanalmente haverá informações sobre o tema e atividades de cada disciplina.

Miriam Grossi

1. Graduação em Antropologia Disciplina Optativa Relações de Gênero no Curso de Graduação em Antropologia -sextas feiras das 14:20 às 18:00 – 4 créditos (Aberta a alunas/os de todos os cursos de graduação da UFSC. Não exige pré-requisitos). Terá aulas teóricas, seminários, atividades em grupo e aulas práticas com pesquisa de campo.

2. PPGAS Sociedades Complexas -2 ou  4 créditos – Disciplina concentrada em Março e abril. Aulas com a profa Miriam Grossi nas sextas feiras das 18:30 às 22:00. Será ministrada no quadro do PROCAD-CAPES UFSC/UFAM/UFRN/UFG/UFRGS com  duas semanas de aulas concentradas com professores da UFRGS (Cornelia Eckert, Ana Luisa Rocha, Fabiola Rohden, Emerson Giumbelli), UFG (Manuel Ferreira Lima Filho, Telma Camargo da Silva, Camilo Brás), UFRN (Elisete Schwade, Rozeli Porto, Lisabete Coradini), da UFAM (Marcia Calderipe, Sidney Silva) e da UFSC (Alicia Castells e carmen Rial)nas semanas de 31 de março a 4 de abril e de 22 a 25 de abril. Aulas expositivas e Trabalho de Campo envolvendo as temáticas do curso.

3. PPGICH Disciplina Optativa ICH 5100-29 – 2 créditos – Tópicos Especiais em Assuntos interdisciplinares II – Estudo de Gênero na Pesquisa em Ciências Humanas  -disciplina Concentrada na semana de 17 a 21 de março no Cuso de Curta Duração em Gênero e Feminismo promovido pelo IEG. Aulas expositivas.

4. PPGICH ICH 40820010 – Teorias de Gênero – 4 créditos – quartas feiras das 8:30 as 12:30 – Sala 301 (CFH). Em parceria com as profas Mara Lago, Luzinete Minella, Joana Pedro e Cristina Wolff. Aulas expositivas, palestras e seminários.

*********************************

Destaques NIGS no dia da Mulher:

Sambando e lutando:

O Instituto de Estudos de Gênero (IEG) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) se uniu à União Brasileira de Mulheres de Santa Catarina (UBM/SC) e à escola de samba Embaixada Copa Lord para criar a ala “Amor sem dor”. Esta trouxe como tema a Lei Maria da Penha e contou com forte adesão de integrantes dos movimentos sociais que batalham pelo fim das violências de gênero. Assim,  neste Carnaval, a luta social foi das ruas para o sambódromo, integrando passistas e militantes ao ritmo do samba.

Leia mais aqui.

Pesquisadores do IEG: Virginia Nunes (mestranda PPGAS UFSC), Felipe Fernandes (pos-doutorando PPGAS UFSC) Glaucia Oliveira de Assis (LABGEF UDESC), Miriam Pillar Grossi (PPGAS UFSC), Janine Gomes (UFSC) e Marlene de Faveri (UDESC).

SEAGRO-SC destaca e celebra a crescente participação de mulheres  em sua atual gestão:

O Sindicato dos Engenheiros Agrônomos de Santa Catarina celebra o dia 8 de março, dia internacional da mulher, compartilhando um artigo de autoria da professora Dra. Miriam Pillar Grossi, em conjunto com sua orientanda, Izabela Liz Schlindwein, realizado especialmente para o sindicato e  focado no tema sobre as mulheres no poder e os desafios da mulher profissional nos dias atuais.

Leia o texto na integra aqui

***

O Boletim do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e o dia internacional da mulher:

Nesta edição do boletim nacional dos direitos da pessoa com deficiência, refletindo o dia internacional da mulher são compartilhados artigos relacionados ao tema “a mulher deficiente”, destacando o texto da  colega Antropóloga  Anahi Guedes de Mello : “O Dia Internacional da Mulher: algumas considerações sobre violências contra mulheres com deficiência”

Leia o boletim e artigo na integra aqui .

*************************************************

Facebook Twitter